Justiça

Segunda Turma do STF torna Renan Calheiros réu por corrupção e lavagem de dinheiro

Senador é acusado de ter recebido dinheiro de uma empresa para manter Sérgio Machado na Transpetro. Ao STF, defesa disse que Renan é alvo de perseguição e negou crimes.

A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta terça-feira (3) tornar o senador Renan Calheiros (MDB-AL) réu pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Veja também: Incêndio em fábrica de cerâmica no Sudão deixa mortos e feridos

A decisão foi tomada porque a Turma aceitou uma denúncia oferecida pela Procuradoria Geral da República (PGR) contra o senador em um processo relacionado à Operação Lava Jato. Está é a primeira vez que o parlamentar vira réu na Lava Jato.

A aceitação da denúncia não representa condenação. Agora, será aberta uma ação penal para apurar as acusações. O senador ainda terá de ser julgado, podendo ser absolvido ou condenado.

A defesa de Renan nega os crimes apontados pela PGR. Luís Henrique Machado, advogado do senador, afirma que o parlamentar é alvo de perseguição.

“Nos três capítulos da denúncia que transcrevemos, Sérgio Machado não se lembra de ter pedido propina à NM Engenharia. Ou seja, o próprio Sérgio Machado não se lembra, e agora o MP vir apresentar denúncia é deixar a defesa pasma. A PF é peremptória ao dizer que não há elementos para sustentar a denúncia”, afirmou Luís Henrique Machado.

Veja também: Procuradoria-geral de Justiça cria grupo para discutir bailes funk e atuação da polícia em SP

Sergio Machado a quem o advogado se refere é o ex-presidente da Transpetro, subsidiária da Petrobras.

Entenda o caso
Renan foi denunciado em agosto de 2017 por suspeita de receber, entre 2008 e 2010, cerca de R$ 1,8 milhão por meio de diretórios do MDB e PSDB em Aracaju, Alagoas e Tocantins. Segundo a Procuradoria, em troca de receber valores da NM Engenharia, Renan mantinha no cargo de presidente da Transpetro Sérgio Machado.

O julgamento começou na semana passada, quando o relator do caso, Luiz Edson Fachin, votou por aceitar parcialmente a denúncia.

Fachin não viu provas de beneficiamento a Renan nos três estados, somente em Tocantins. Por isso, rejeitou a denúncia em relação aos outros locais. Renan responderá, portanto, somente pela doação a um diretório.

Veja também: Juiz federal homologa delação de um dos suspeitos de invadir celulares de Moro e autoridades

A denúncia se baseia na delação de Sérgio Machado e em elementos coletados a partir das declarações dele, segundo o relator Fachin.

Votos dos demais ministros
O ministro Ricardo Lewandowski votou pela rejeição da denúncia. Para o ministro, a PGR se baseou somente em delações premiadas, e não havia elementos concretos de que o parlamentar tenha atuado para manter Sérgio Machado no comando da Transpetro.

“Não encontrei nos presentes autos elementos externos seguros de corroboração que confirmem, de forma independente e autônoma, a informação prestada pelos delatores. Entendo que não é possível imputar ao senador Renan a prática de delitos”, afirmou Lewandowski.

Em seguida, Gilmar Mendes deu o segundo voto contrário à abertura da ação penal. Gilmar não viu elemento concreto de que o senador tenha atuado para receber dinheiro e, portanto, considerou que não houve caracterização de corrupção nem de lavagem de dinheiro. Para o ministro, também não foi comprovado que Renan atuou para manter Sérgio Machado na Transpetro.

“É flagrante a inépcia da denúncia. Não há na inicial acusatória qualquer vinculação de doações solicitadas com ato de Renan Calheiros. Os empresários denunciados, pasmem, não tiveram qualquer contato com o denunciado. É um tipo de crime espiritual, uma situação constrangedora”, destacou Mendes.

Depois, Celso de Mello empatou o julgamento, votando a favor do recebimento da denúncia contra o senador. Segundo ele, os fatos apontados na denúncia constituem “gravíssima ofensa” às leis.

“Esse comportamento constitui gravíssima ofensa à legislação penal da República. Agentes da República, valendo-se de doações a partido, conferem aparência de legitimidade a recursos financeiros manchados pela nota da delituosidade”, afirmou.

Cármen Lúcia desempatou o julgamento: “Há uma série de dados que revelam conjunto probatório minimo”. A ministra considerou que Renan deveria responder à denúncia.

Veja também: Moro defende mudanças no pacote anticrime e pede votação nesta semana

Situação de Renan
Atualmente, Renan Calheiros é alvo de mais nove investigações relacionadas à Lava Jato – em outro caso já foi denunciado, mas o STF ainda não decidiu se ele vira réu.

Outros oito inquéritos da Lava Jato sobre o senador já foram arquivados por falta de provas.

Via
G1
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios