Política

Senado e Câmara fazem avançar propostas sobre prisão após condenação em 2º instância

A CCJ do Senado retomou o projeto de lei sobre a prisão após condenação em segunda instância e decidiu marcar a votação para a próxima semana. Contrariando um acordo entre líderes fechado na semana passada, a presidente da Comissão de Constituição e Justiça, Simone Tebet, do MDB, acolheu o pedido apresentado pelo senador Oriovisto Guimarães, do Podemos do Paraná. Ele apresentou uma lista com 43 senadores que gostariam de votar a matéria.

Além da lista, Simone Tebet citou a não apresentação de um cronograma de votação na Câmara para pautar o projeto no Senado.

“O colégio de líderes não estava falando, naquele momento – ou se estava, houve uma mudança de direcionamento –, pela maioria absoluta do Senado Federal. Então, tendo em vista todas essas considerações, é minha obrigação e dever pautar imediatamente, para a próxima sessão da Comissão de Constituição e Justiça e Cidadania do Senado, como primeiro item da pauta, o projeto de lei”.

A decisão foi divulgada em audiência pública na CCJ nesta quarta-feira. Entre os convidados, estava o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, que defendeu a urgência na aprovação, pelo Congresso, de medidas que permitam a prisão em 2ª instância, seja por emendas constitucionais ou projetos de lei. Para o ministro, o placar apertado no Supremo abre a possibilidade de se alterar a legislação.

“O julgamento apertado, revendo um precedente no qual havia uma outra maioria, sinaliza, na minha opinião e com todo o respeito ao Supremo Tribunal Federal, que a questão não está de todo sedimentada naquela Corte. Cinco ministros, pelo menos, entendem que a execução [da pena] em segunda instância já é uma possibilidade atual. E o ministro Dias Toffoli, que votou na maioria, ele mesmo no seu voto sinalizou que entendia que era uma questão que deveria ser decidida pelo Congresso”.

Também presente no debate, o defensor público-geral do Rio de Janeiro, Rodrigo Baptista, questionou a prisão em segunda instância, argumentando que os tribunais inferiores descumprem as decisões dos superiores.

“Portanto, a cada 10 Habeas Corpus impetrados pela Defensoria Pública, há êxito em cinco deles. E isso vai de encontro à infelizmente propalada ideia de que apenas réus patrocinados por bons advogados acessam as cortes superiores”.

Enquanto a CCJ do Senado discutia o tema, a Câmara instalava a comissão especial para analisar a Proposta de Emenda à Constituição que permite a prisão após condenação em 2ª instância.

O presidente eleito foi o deputado Marcelo Ramos, do PL do Amazonas, e o relator escolhido foi o deputado Fábio Trad, do PSD do Mato Grosso do sul. O relator afirmou que a PEC é viável, mas que é preciso fazer ajustes, e não antecipou se irá estender o cumprimento da sentença em segunda instância para as demais áreas da Justiça além da criminal, como a civil e a trabalhista.

Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios