Política

Senado não deve votar indicação de Aras antes do fim do mandato de Dodge

Presidente da Casa projetou votação para semana do dia 22; interino deve assumir

BRASÍLIA — O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), afirmou nesta segunda-feira que acredita que a indicação do subprocurador Augusto Aras à Procuradoria-Geral da República (PGR) será votada no plenário do Senado na semana do dia 22 de setembro, ou seja, após o término do mandato da atual procuradora-geral, Raquel Dodge, no dia 17. Caso o nome do novo PGR não será analisado até o fim do mandato, assumirá interinamente o vice-presidente do Conselho Superior do Ministério Público (CNMP), Alcides Martins.

— Acho que na semana do dia 22 — disse Alcolumbre, questionado sobre a data de votação da indicação, ao chegar no Palácio do Planalto para encontrar o presidente em exercício Hamilton Mourão.

Alcolumbre ressaltou que não deve ser possível votar a indicação até o dia 17 porque deverá haver um pedido de vista na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), o que atrasa a votação em uma semana. Ele afirmou que a indicação deve chegar ao Senado na terça-feira.

— Acho que não dá prazo, porque, pelo prazo, há um pedido de vista coletivo, que é natural. Então não é que não queira, acho que regimentalmente, se a gente tiver que seguir o regimento e é bom que a gente siga o regimento, a partir da sabatina do indicado, um pedido de vista, que é natural. Então, pela conta, não vai dar esse prazo até dia 17.
O presidente do Senado evitou fazer uma avaliação do nome de Aras, dizendo que a escolha cabe ao presidente e que os senadores poderão aceitá-la ou rejeitá-la.

— A indicação é feita pelo presidente da República, o Senado vai sabatinar. O perfil de um procurador de carreira que está enquadrado nas orientações para ocupar a Procuradora-Geral da República foi escolhido pelo presidente do Brasil. O Senado vai sabatinar e vai ou aprovar ou rejeitar, seguindo (o que ocorre com) todas as outras autoridades.

Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios