GeralPolítica

Senadores entregam a Moro manifesto a favor do veto integral a abuso de autoridade

O documento é assinado por 33 parlamentares de 13 partidos

BRASÍLIA – Um grupo de senadores entrega, nesta quinta-feira, ao ministro Sergio Moro (Justiça) manifesto pedindo o veto integral ao projeto sobre abuso de autoridades . Com 33 assinaturas de parlamentares de 13 partidos, eles garantem que apoio ao presidente Jair Bolsonaro à manutenção do eventual veto. Do PSL, apenas o filho do presidente, senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), não assinou o documento.

O número representa mais de um terço do Senado (81), mas é insuficiente para garantir que um eventual veto do presidente seria mantido pelo Congresso. Isso porque, para a rejeição de um veto, é necessária a maioria absoluta dos votos de deputados (257) e senadores (41). Se registrada uma quantidade inferior de votos pela rejeição em uma das Casas, o veto é mantido.

Liderado por senadores que foram eleitos em 2018 com o discurso de combate à corrupção, o manifesto alega que “o projeto poderá impor sérios riscos a diversas investigações, principalmente àquelas relacionadas ao combate à corrupção”. A proposta foi aprovada na semana passada na Câmara. No Senado, havia sido votada em 2017.

Do PSL, apenas Flávio Bolsonaro não o assinou. Segundo parlamentares que buscaram signatários, todos os senadores foram procurados. Questionada sobre a posição de Flávio, a assessoria do senador não fez comentários. Flávio é investigado pelo Ministério Público, cuja parte dos integrantes condena o projeto sobre abuso de autoridade, por suposto esquema envolvendo salários de servidores da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro

Bolsonaro sofre pressão dos dois lados. Na semana passada, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), defendeu a proposta, sob o argumento de que ela não traz problemas às autoridades que “não passem dos limites da lei”.

– Estamos pedindo que o presidente vete integralmente. A população em sua imensa maioria disse “não” à corrupção. Estamos entregando ao ministro Sergio Moro numa demonstração de apoio a ele e que para ele seja nosso portador e entregue ao presidente Jair Bolsonaro – diz o senador Oriovisto Guimarães (Podemos-PR).

O líder do PSL, Major Olímpio (SP), diz que o projeto “não foi feito com o cérebro, mas com o fígado”.

– Há um espírito de vingança contra juízes, promotores e policiais, quando o Brasil está ansiando justamente por enfrentamento à corrupção, fortalecimento da estrutura de segurança – diz.

Proposta

A proposta abrange servidores públicos e integrantes dos Três Poderes, do Ministério Público, dos tribunais e conselhos de contas e das Forças Armadas. O texto prevê mais de 30 ações que podem ser consideradas abuso de autoridade, com penas que variam entre seis meses e quatro anos de prisão.

A previsão é que autoridades condenadas indenizem a vítima. No caso de reincidência, pode haver a inabilitação para exercício da função pública por um a cinco anos e até mesmo a perda do cargo.

Entre as práticas classificadas como abuso de autoridade estão: obter provas por meios ilícitos; impedir encontro reservado entre um preso e seu advogado; entrar em imóvel alheio sem determinação judicial; decretar a condução coercitiva de testemunha ou investigado sem intimação prévia; fotografar ou filmar um preso sem o seu consentimento; entre outros.

Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios