Mundo

Sob acordo histórico, Alemanha abandona uso do carvão para gerar energia

Todas as usinas serão desligadas até 2038. Governo vai pagar € 40 bi a empresas e trabalhadores afetados pela medida

FRANKFURT – A Alemanha deve se tornar o primeiro país a abandonar simultaneamente a energia nuclear e a carvão sob um acordo histórico para compensar trabalhadores, empresas e governos regionais, ao desligar as usinas a carvão mineral até 2038.

O governo fechou um acordo no valor de mais de € 40 bilhões (o equivalente a US$ 44,7 bilhões) nas primeiras horas da manhã desta quinta-feira com as autoridades das regiões de mineração de carvão da Alemanha. O montante será distribuído a empresas e trabalhadores afetados.

Projetada para garantir que a maior economia da Europa cumpra sua meta de reduzir as emissões de gases de efeito estufa até 2030, a saída será acompanhada de pesados investimentos em energia renovável.

– A Alemanha, uma das nações industriais mais fortes e bem-sucedidas do mundo, está dando grandes passos para deixar a era dos combustíveis fósseis – disse o ministro das Finanças, Olaf Scholz, em entrevista coletiva.

Há um ano, a Alemanha anunciou que abandonaria o carvão o mais tardar em 2038. Essa data pode ser adiantada em três anos, de acordo com o balanço a ser feito pelas autoridades em 2026 e 2029.

A decisão marca uma grande reviravolta na coalizão conservadora-social-democrata da chanceler Angela Merkel. A coalizão havia abandonado metas de redução de emissões consideradas inatingíveis pouco depois de assumir o governo em 2017, mas voltou atrás após o crescimento de preocupações entre diversos setores da sociedade.

– Foram negociações difíceis – disse a ministra do Meio Ambiente, Svenja Schulze. – Mas você pode ver o resultado. Somos o primeiro país que tem um acordo vinculativo para abandonar o carvão e a energia nuclear. E  isso é um sinal importante internacionalmente.

O ministro da Economia, Peter Altmaier, disse que a legislação será levada ao Parlamento até o fim deste mês.

As usinas mais antigas e ‘sujas’, algumas datadas da década de 1950, serão as primeiras a serem desligadas, começando por uma usina de 300 MW na Renânia, que deve ser fechada ainda este ano. Nos próximos 18 anos, as 29 restantes terão suas atividades encerradas.

– O que temos aqui é um bom acordo para a proteção do clima, porque deixa claro que queremos fazer negócios – afirmou Altmaier.

O governo acrescentou nesta quinta-feira que os certificados de emissão de carbono mantidos pelas usinas seriam cancelados após o fechamento, uma medida que deve limitar as emissões e elevar os preços dos certificados negociados sob o esquema da União Europeia.

Os analistas pensaram que o impacto no mercado de carvão seria limitado, já que a demanda da UE por carvão estagnou por muito tempo diante da concorrência de fontes renováveis e de gás. Mas os preços do carvão caíram 40% no ano passado e mal se recuperaram desde então.

Compensação para todos

Os estados afetados de Brandemburgo, Saxônia e Saxônia-Anhalt, no leste, e Renânia do Norte-Vestfália, no oeste, receberão uma compensação de Berlim de até € 40 bilhões.

Já as empresas afetadas receberão € 4,35 bilhões. Isso inclue a RWE, que segundo duas fontes governamentais receberá € 2,6 bilhões pela desativação de duas usinas a carvão, e a mineradora Mibrag, de propriedade do grupo tcheco de energia EPH, que receberá € 1,75 bilhão.

As ações da RWE, a maior operadora de usinas a carvão da Alemanha, subiram 3%, para € 30,3 , seu nível mais alto desde 25 de setembro de 2014 nesta quinta.

As empresas intensivas em energia que competem internacionalmente serão elegíveis para subsídios anuais a partir de 2023 para compensar os custos mais altos de eletricidade causados pela saída do carvão, disse o porta-voz do governo Stefan Seibert, sem dar detalhes.

Mesmo assim, a associação da indústria BDI criticou o acordo, dizendo que as empresas esperavam obter mais ajuda para lidar com o aumento dos custos de energia.

Seibert disse que Berlim também pagaria uma compensação aos funcionários afetados pela lei de eliminação do carvão até 2043. A soma exata para cada trabalhador permanece incerta.

Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios