Notícias

Spotify anuncia que não terá propaganda política no começo de 2020

É a mais recente medida de uma empresa digital no combate à desinformação, com vistas às eleições presidenciais dos EUA

BANGALORE, Índia – A gigante da música on-line Spotify anunciou que vai proibir, a partir do começo de 2020, a propaganda política, na mais recente medida adotada por uma empresa digital no combate à desinformação, com vistas às eleições presidenciais dos Estados Unidos.

A decisão da empresa, com sede na Suécia, mas com grande quantidade de usuários e operações nos Estados Unidos, se soma às já tomadas pelo Twitter, que vetou a maioria dos anúncios políticos, e da Google, que limitará como se seleciona para quem essa tipo de publicidade é oferecida. Sob pressão, as redes sociais estão disciplinando os anúncios políticos direcionados.

O serviço pago de transmissão de música mais popular da internet,  que conta com cerca de 140 milhões de usuários, afirmou que a interrupção da veiculação vai valer para o Spotify e podcasts exclusivos, e justificou a medida por sua falta de capacidade de identificar notícias falsas.

– Ainda não temos o nível de solidez necessário em nossos processos, sistemas e ferramentas para revisar a validar com responsabilidade este conteúdo. Reconsideramos esta decisão enquanto continuamos a desenvolver nossas capacidades – afirmou um porta-voz.

Serviços de redes sociais estão sob intensa pressão para interromperem a publicação de propaganda política que contenha mentiras e dados falsos. O Twitter proibiu anúncios políticos em outubro e o Facebook checa conteúdo de grupos políticos.

“Vamos reavaliar esta decisão enquanto continuamos a desenvolver nossas capacidades”, disse um representante da Spotify em comunicado.

Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios