Justiça

STF define tese sobre compartilhamento de dados sigilosos nesta quarta

O plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) se reúne, na quarta-feira (4), para firmar o entendimento sobre o compartilhamento de dados entre órgãos de controle financeiro e o Ministério Público Federal (MPF). O resultado do julgamento, que durou três semanas, já é conhecido, mas os ministros precisam definir os limites exatos da decisão – a chamada tese.

Veja também: Cerca de 738 mil pequenos negócios devem regularizar débitos com Fisco

Em linhas gerais, a maioria STF entende que tanto a Unidade de Inteligência Financeira (atingo Coaf) quanto a Receita Federal podem, sim, compartilhar dados com o Ministério Público (MP). Mas a decisão tomada diz respeito apenas à Receita, e uma das questões que estão pendentes é justamente sobre se o entendimento pode ser aplicado ao antigo Coaf.

Outro ponto importante é que o julgamento terá repercussão geral, ou seja, a tese deverá ser aplicada por juízes de todo o país em processos sobre o mesmo assunto. Por isso, é preciso definir com clareza o que a côrte entende como constitucional.

Um dos pontos que inevitavelmente será abordado durante a elaboração da tese diz respeito à atuação do MP. Da mesma forma que entende que o Ministério Público tem a obrigação de preservar o sigilo das informações que receber, o STF pode definir restrições ao trabalho dos procuradores.

Ou seja, apesar de o STF não enxergar ilegalidade em os órgãos de controle financeiro sugerirem investigações sobre informações suspeitas, os ministros podem encontrar caminhos para restringir o que os investigadores podem fazer com essas informações.

Veja também: Problemas de governança desestimulam carreira política, diz Bolsonaro

  • *Com informações do repórter Antonio Maldonado(Jovem Pan)

 

Via
JOVEM PAN
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios