Justiça

STJ aumenta indenização para família de jovem torturado e morto após ser entregue por militares do Exército a traficantes

Por se sentirem "desacatados", agentes entregaram inocentes para traficantes de comunidade rival após uma revista no Morro da Providência, em 2008.

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) aumentou a indenização devida à família de Marcos Paulo Rodrigues Campos para 400 salários mínimos. Aos 17 anos, ele foi revistado por soldados do Exército que, por se sentirem desacatados, o entregaram a traficantes do Morro da Mineira, comandado por uma facção rival. Marcos foi torturado até a morte.

A indenização estabelecida anteriormente era de R$ 110 mil. O ressarcimento inicial foi considerado “desarrazoado” (que não é razoável) pelo ministro Napoleão Nunes Maia Filho, relator do processo no STJ.

“Especialmente diante das graves peculiaridades da causa”, escreveu ele.
O advogado da família, João Tancredo, estima que a indenização chegue a R$ 1,2 milhão, considerando ainda os juros e a pensão que não foi paga.

Relembre o caso
Na ação, em 2008, foram mortos com 46 tiros Wellington Gonzaga Ferreira, David Wilson da Silva e Marcos Paulo Campos. O Exército fazia a segurança das obras do projeto Cimento Social, quando os três jovens inocentes foram abordados para uma revista.

Sob o pretexto de que foram desacatados, os militares resolveram levá-los ao Morro da Mineira, dominado por uma outra facção criminosa. De acordo com a denúncia, os militares sabiam que os jovens inocentes poderiam ser mortos.

Na decisão que aumentou o ressarcimento à família, o magistrado considerou “vil” a atuação dos agentes.

“O óbito dos menores indiscutivelmente aconteceu em razão da vil conduta de Militares que tinham os menores sob custódia e os levaram para serem torturados e assassinados por criminosos, demonstrando profundo descomprometimento com a legislação e com a vida humana por parte dos agentes do Estado”, escreveu Napoleão.

A informação foi publicada inicialmente na coluna de Ancelmo Gois, no “O Globo”. O episódio ocorreu em junho de 2008 e ficou conhecido como “Chacina da Providência”.

Do valor da indenização 50% deve ficar com a mãe de criação e o restante tem que ser dividido igualmente entre irmãos e a madrasta.

Além disso, a decisão determina o restabelecimento do pagamento de pensão à mãe da vítima, que havia sido interrompido.

“Não se pode deixar perder de vista que cuida de menor de idade que teve sua vida ceifada de forma precoce e brutal, com sinais de extrema violência e tortura, ao ser entregue propositalmente a criminosos de morro rival por Militares, sob a absurda justificativa de que teriam desacatado os Militares no momento em que realizavam ação de revista”, determinou o magistrado.

Via
G1
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios