DestaqueEconomiaGeral

Subsídios atingem o menor percentual do PIB desde 2010

A redução se deu principalmente porque o governo concedeu menos benefícios financeiros e creditícios

Os subsídios concedidos pelo governo federal atingiram em 2018 a menor proporção em relação ao Produto Interno Bruto (PIB) desde 2010, informou ontem o Ministério da Economia. A União abriu mão de R$ 314,2 bilhões no ano passado, o equivalente a 4,6% do PIB, dando continuidade à trajetória de quedas iniciada após o pico em 2015, quando os subsídios chegaram a 6,7% do PIB. Em 2010, eles ficaram em 4,2%.

A redução se deu principalmente porque o governo concedeu menos benefícios financeiros e creditícios, que incluem equalização de juros e o subsídio implícito quando bancos públicos emprestam a um custo menor que o Tesouro paga para se financiar com a emissão de títulos públicos. Esses benefícios somaram R$ 21,4 bilhões em 2018 (0,3% do PIB), depois de terem chegado a R$ 128,8 bilhões em 2015.

Os gastos tributários (aquilo que o governo abre mão de arrecadar em impostos e contribuições), por sua vez, são os mais significativos em valores absolutos e se mantiveram estáveis na passagem de 2017 para 2018. Eles somaram R$ 292,8 bilhões no ano passado (4,3% do PIB).

“No período entre 2003 e 2015, os subsídios mantiveram tendência crescente, saltando de 3% (2003) para 6,7% do PIB (2015), o que contribuiu significativamente para a deterioração das contas públicas nesse período”, observa o Ministério da Economia.

Segundo a pasta, as principais ações que possibilitaram redução dos subsídios no ano passado foram a devolução antecipada de recursos pelo BNDES ao Tesouro Nacional, a reformulação das regras de financiamento estudantil pelo Fies (que restringiu os subsídios) e a implementação da nova Taxa de Longo Prazo (TLP), que é referência para empréstimos do BNDES e é mais próxima do custo de captação do governo federal.

O BNDES já fez quatro devoluções que somaram R$ 310 bilhões e ainda tem um pedido para repassar antecipadamente mais R$ 126 bilhões este ano.

Do lado dos gastos tributários, segundo a Economia, houve redução de gastos com a política de desoneração da folha de pagamento (benefício que trocou a contribuição de 20% sobre os salários por um parcela do faturamento), contrabalançados por aumentos nos subsídios à Zona Franca de Manaus, ao Simples e aos setores agrícola e de agroindústria.

A continuidade da trajetória de queda nos subsídios do governo federal depende, daqui para frente, de uma revisão das renúncias tributárias concedidas pela União, defendeu o secretário de Avaliação de Políticas Públicas, Planejamento, Energia e Loteria, Alexandre Manoel. Segundo ele, o governo já praticamente exauriu as alternativas para diminuir os outros tipos de subsídios – financeiros e creditícios, que são despesas para o governo – e agora precisa mirar as renúncias se quiser continuar o ajuste.

Via
POR ESTADÃO CONTEÚDO
Tags

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios