JustiçaLava Jato

Supremo destina R$ 1,6 bi do fundo da Lava Jato para combate ao coronavírus

Ministro Alexandre de Moraes atendeu a um pedido da PGR. proposta do MPFl foi a de que a verba, que inicialmente destinada a ações do Ministério da Educação, passasse a ser administrada pelo Ministério da Saúde

BRASÍLIA — O ministro do Supremo Tribunal Federal (STFAlexandre de Moraes determinou o repasse de R$ 1,6 bilhão, recuperados da Petrobras, a partir da Operação Lava Jato, para ações de combate ao novo coronavírus.

Moraes atendeu a um pedido feito pela Procuradoria-Geral da República (PGR) na quinta-feira, sugerindo que o montante fosse investido exclusivamente em ações para conter a doença no país. A proposta do Ministério Público Federal foi a de que a verba, que inicialmente destinada a ações do Ministério da Educação, passasse a ser administrada pelo Ministério da Saúde.

Em sua decisão, o ministro afirmou que “o desafio que a situação atual coloca à sociedade brasileira e às autoridades públicas é da mais elevada gravidade, e não pode ser minimizado”.

De acordo com ele, a realocação dos recursos “não acarretará nenhuma descontinuidade de ações ou programas de governo, ao mesmo tempo em que virá ao encontro de uma necessidade premente que ameaça a vida e a integridade física dos brasileiros”.

“A pandemia de COVID-19 (Coronavírus) é uma ameaça real e iminente, que irá extenuar a capacidade operacional do sistema público de saúde, com consequências desastrosas para a população, caso não sejam adotadas medidas de efeito imediato”, escreveu.

Relator da proposta no Supremo, o ministro Alexandre de Moraes decidiu que o pedido do procurador-geral da Repúblico, Augusto Aras, teria de ter o aval das instituições que participaram do acordo –Câmara, Senado e Advocacia-Geral da União — para pedir o repasse dos valores pagos pela Petrobras em decorrência de acordo firmado com autoridades norte-americanas.

Desta forma, assinam o acordo os presidentes do Senado (em exercício), Antonio Anastasia, e da Câmara, Rodrigo Maia, além do advogado-geral da União, André Luiz de Almeida Mendonça, e o procurador-geral da Fazenda Nacional, José Levi Mello do Amaral Jr.

“A gravidade da emergência causada pela pandemia da covid-19 (coronavírus) exige das autoridades brasileiras, em todos os níveis de governo, a efetivação concreta da proteção à saúde pública, com a adoção de todas as medidas possíveis para o apoio e manutenção das atividades do Sistema Único de Saúde”, escreveu Moraes na decisão.

O termo homologado pelo STF prevê que o R$ 1,6 bilhão seja destinado à União e aplicado exclusivamente no custeio de ações voltadas à contenção e mitigação da covid-19. Para Aras, o atual cenário “exige que ações emergenciais e extraordinárias sejam adotadas com a finalidade de não apenas conter a propagação e o contágio pelo vírus, mas também de cuidar dos doentes prioritários”.

Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios