Justiça

Toffoli pede informações a Barroso sobre decisão que autorizou buscas no Senado

Presidente do STF fez o pedido após ação do Senado que questionou operação. Após a reposta de Barroso, Toffoli pode decidir sozinho ou levar o caso ao plenário.

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, pediu informações ao ministro Luís Roberto Barroso sobre a decisão que autorizou na semana passada busca e apreensão no gabinete do líder do governo, senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE).

O prazo para resposta é de 72 horas. O ofício foi enviado ao gabinete de Barroso nesta quinta-feira (26). Toffoli pediu os dados diante de ação proposta pela Mesa do Senado.

Ao Supremo, o Senado cita que a então procuradora-geral da República, Raquel Dodge, foi contra a operação da Polícia Federal. Para o Senado, como a PGR é a titular da ação penal, Dodge teria que ter autorizado as buscas.

A mesa quer a suspensão da análise do material apreendido no gabinete e a devolução imediata ao Senado.

Depois do pedido, o procurador-geral em exercício, Alcides Martins, enviou novo documento ao STF dizendo que via indícios para a realização da operação.

Após Barroso prestar informações, Toffoli decidirá individualmente sobre o questionamento da Mesa do Senado ou definirá se o caso deve ser analisado pelos onze ministros em plenário.

O pedido de informações é praxe no Supremo antes de se tomar uma decisão, mas não é obrigatório.

Na última quinta (19), a Polícia Federal cumpriu mandados de busca e apreensão no gabinete de Fernando Bezerra e no gabinete do filho dele, o deputado Fernando Coelho Filho (DEM-PE), na Câmara.

Segundo a PF, há suspeitas de que os dois receberam juntos R$ 5,538 milhões em propina de empreiteiras.

Via
G1
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios