Polícia

‘Trata-se de um caso típico de homofobia’, diz delegada sobre agressões a Karol Eller

RIO — A Polícia Civil investiga como homofobia o motivo das agressões sofridas pela youtuber Karol Eller, conhecida por ser defensora do governo e amiga da família Bolsonaro. A jovem estava com a namorada em um quiosque na orla da Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio, quando se envolveu em uma confusão com outras três pessoas, na manhã do último domingo (15).

O caso foi registrado como lesão corporal e injúria por preconceito na 16ª Delegacia de Polícia, na Barra da Tijuca.

Segundo a policial civil Suellen Silva dos Santos, namorada de Karol, as duas estavam no local quando conheceram um casal que estava acompanhado de um amigo. Na delegacia, ela narrou que, ao longo da conversa com o grupo, no domingo, um dos dois suspeitos, o supervisor de manutenção Alexandre da Silva, de 42 anos, se referiu a Karol como “ele” e disse que ela “não era mulher, era homem”.

Assumidamente homossexual, a amiga de Bolsonaro, Karol Eller, foi agredida na Barra da Tijuca Foto: Reprodução
Assumidamente homossexual, a amiga de Bolsonaro, Karol Eller, foi agredida na Barra da Tijuca Foto: Reprodução

Ainda em depoimento à polícia, Suellen narrou que, quando a namorada disse que queria ir ao banheiro, Alexandre teria sugerido que “ela fosse atrás do quiosque mesmo”, já que, como homem, “não precisava usar o sanitário”. A agente disse também que o supervisor a teria elogiado, dizendo que ela era “uma morena muito bonita”. “Está fazendo o quê com isso? Isso é um homem?”, teria questionado Alexandre, que, conforme Suellen, começou a empurrar Karol de um jeito provocativo, tendo “desferido soco na mesma até derrubá-la no chão e deixá-la desacordada”.

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, Karol deu entrada no Hospital Lourenço Jorge, também na Barra, e foi liberada nesta segunda-feira.

— Não estou conseguindo falar nem ler direito. Estou com fortes dores na cabeça. Só quero agradecer a todo carinho que tenho recebido dos meus amigos e seguidores — disse a youtuber à reportagem.

— Trata-se de um caso típico de homofobia, sem ligação com a militância da vítima. De acordo com os depoimentos, os agressores chamavam a Karol o tempo todo de sapatão e demonstravam claramente preconceito. Já requisitamos os exames de corpo de delito de todos os envolvidos e vamos fazer diligências para localizarmos câmeras que possam ter flagrado a confusão e possíveis testemunhas do fato — explicou a delegada Adriana Belém, titular da 16ª DP.

Suspeito nega:

Também em depoimento, Alexandre e o casal de amigos desmentiram as agressões.

Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios