Mundo

Trump assina ordens para proibir TikTok e WeChat nos EUA

Os documentos determinam o banimento dos aplicativos chineses caso não sejam vendidos em até 45 dias para empresas norte-americanas

O presidente Donald Trump assinou nesta quinta-feira (6) ordens executivas para proibir a operação nos Estados Unidos dos aplicativos chineses TikTok e WeChat por 45 dias caso não sejam vendidos para empresas estadunidenses.

Em relação ao TikTok, a ordem determina a proibição de “qualquer transação por qualquer pessoa, ou com relação a qualquer propriedade, sujeita à jurisdição dos Estados Unidos, com a ByteDance Ltda.”, empresa chinesa dona da plataforma de vídeos curtos.

Na última sexta-feira, Trump disse que iria usar seus poderes econômicos de emergência ou uma ordem executiva para banir o aplicativo dos Estados Unidos.

A decisão desta quinta-feira aumenta a pressão para a possível venda do TikTok para uma empresa estadunidense. A Microsoft, uma das interessadas, afirmou que as negociações estão avançando.

Trump ja havia afirmado que qualquer negociação envolvendo o aplicativo deveria incluir uma quantidade “substancial de dinheiro” ao Tesouro do pais. No entanto, a ordem assinada nesta quinta-feira não tem esse dispositivo.

O documento alega que o TikTok “captura automaticamente vastas faixas de informações de seus usuários”, como dados de localização e históricos de navegação e pesquisa, que “ameaça permitir ao Partido Comunista Chinês acesso às informações pessoais e proprietárias dos americanos – potencialmente permitindo que a China rastreie a localização de funcionários e empreiteiros federais, construa dossiês de informações pessoais para chantagem e conduza espionagem corporativa”.

WeChat

O republicano emitiu ainda ordem semelhante ao WeChat, aplicativo de conversa, concorrente do WhatsApp, desenvolvido para companhia chinesa Tecent. O aplicativo também permite que os usuários transfiram fundos uns para os outros.

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios