Mundo

Trump mobiliza Exército em Washington e ameaça enviar tropas contra protestos nos estados

Presidente dos EUA chama manifestantes de 'terroristas internos' e diz que eles devem ser punidos com rigor, mas não está clara autoridade legal do presidente para intervir usando militares

WASHINGTON — Em seu primeiro pronunciamento público desde que começaram os protestos contra a morte de George Floyd por um policial, o  presidente dos Estados Unidos, Donald Trump,  afirmou que usará o Exército para conter as manifestações na capital do país e ainda ameaçou enviar militares aos estados caso os governadores não consigam controlar o que chamou de “criminosos”, “anarquistas” e “terroristas internos”.

— Estamos mobilizando todos para acabarmos com a destruição e garantir os direitos do povo americano. Hoje eu recomendei que usem a Guarda Nacional para dominarmos as ruas novamente. O governador ou o prefeito que relutar em restabelecer a ordem, verá que eu vou agir diretamente, com o envio do exército para acabar com o violência — afirmou.

Ao som de bombas ao fundo, lançadas pela polícia para conter manifestantes que marchavam próximos à sede do governo, Trump afirmou que usará o Exército para manter a segurança na capital federal. O presidente instigou governadores e prefeitos a fazerem uso da Guarda Nacional para que os protestos violentos sejam contidos no país. Ele ainda ameaçou que poderá agir diretamente, com o envio de homens das Forças Armadas para os locais.

De acordo com a CNN, ele pode enviar as tropas do Exército para enfrentar manifestantes escorado na Insurrection Act, uma lei federal de 1807, que autoriza o presidente a enviar tropas militares dentro dos Estados Unidos para reprimir a ilegalidade, a insurreição e a rebelião.

Trump voltou a fazer ataques contra o que chamou de “extrema-esquerda”, “anarquistas” e “antifas”, que seriam os responsáveis pelos protestos violentos em todo o país. Ele os classificou de terroristas domésticos e prometeu que aqueles que forem presos durantes as manifestações precisam ser punidos com rigor.

O presidente americano afirmou que está ao lado dos americanos, “devidamente enojado e revoltado com a morte de George Floyd”. Mas repetiu várias vezes durante o pronunciamento que é o presidente da “lei e da ordem”.

“Se os estados ou cidades não tomarem as ações necessárias para proteger a vida e a propriedade de seus moradores, eu vou chamar as Forças Armadas dos EUA para rapidamente resolver o problema por eles” – Donald Trump

 

“Não são atos de protesto pacífico. São atos de terror doméstico. A destruição da vida de inocentes, o derramamento de sangue de inocentes são crimes contra Deus”, afirmou o republicano.

 

“Eu vou lutar para proteger vocês”, afirmou. “Sou o presidente da lei e da ordem e aliado dos protestos pacíficos.”

 

 

Comentários no Facebook

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios