DestaqueGeralInternacional

Trump recorre de decisão que o impede de bloquear pessoas no Twitter

Corte de Apelações diz que presidente usa a rede social como canal de informação de governo, por isso não pode bloquear usuários

WASHINGTON — Usuário ávido de redes sociais, especialmente o Twitter, o presidente americano, Donald Trump , entrou com pedido de revisão de uma sentença que o impedia de bloquear outros usuários.

O veto ao botão “ bloquear ” foi decidido em primeira instância em maio de 2018, alegando que o presidente não pode impedir que as pessoas vejam o que ele está postando, dizendo que isso violaria a Primeira Emenda da Constituição, que trata da liberdade de expressão . A decisão foi confirmada por uma corte de apelações, no mês passado.

Nesta sexta-feira, o Departamento de Justiça entrou com pedido para revisar a decisão, dizendo que ela foi “fundamentalmente mal concebida”. Na época, os três juízes da Segunda Corte de Apelações de Nova York votaram a favor do bloqueio.

O Twitter não comentou. O presidente também não se pronunciou, nem por nota oficial, nem através de redes sociais.

Com 63 milhões de seguidores, agora nenhum deles bloqueado, Donald Trump usa o Twitter como uma de suas principais ferramentas de comunicação e mesmo de ações de governo. Um dos casos mais emblemáticos foi a demissão do então secretário de Estado , Rex Tillerson, em março do ano passado.

Segundo o Departamento de Estado, Tillerson não foi avisado sobre a decisão, e descobriu que estava sem emprego ao abrir o Twitter.

As postagens do presidente também mexem com o mercado financeiro, nem sempre de maneira positiva. Nesta sexta-feira, uma série de mensagens sugerindo que as empresas americanas “saíssem da China” elevou os temores de que a guerra comercial entre Washington e Pequim pudesse se intensificar. Como resultado, o principal índice da Bolsa de Nova York despencou.

 

Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios