Notícias

USP anuncia redução de salário de 2 mil servidores; Unicamp e Unesp estudam adotar mesma medida

Pagamentos serão reduzidos a partir de setembro a teto de R$ 23.048. Reitor da Unicamp diz que situação é 'esdrúxula' porque teto das universidades estaduais é mais baixo do que os das federais, o que causa uma 'fuga de cérebros'.

A Universidade de São Paulo (USP) anunciou nesta sexta-feira (2) que vai reduzir o salário de 2.082 servidores ativos e inativos (aposentados) que ganham acima do teto de R$ 23.048 – valor do salário do governador João Doria (PSDB). A Universidade Estadual Paulista (Unesp) e a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) estão analisando se terão de adotar a mesma medida.

Uma decisão de novembro de 2015 do Supremo Tribunal Federal (STF) determinou que os salários dos servidores estaduais não poderiam ultrapassar o subsídio do governador. O assunto tem sido debatido no Tribunal de Contas (TCE), no Ministério Público (MP-SP), no Ministério Público de Contas (MPC) e na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp).

De acordo com a USP, atualmente, há 985 colaboradores ativos, sendo 891 professores e 94 funcionários e 1.097 inativos (aposentados), sendo 1.033 professores e 64 funcionários, o que representa cerca de 8% do quadro total de servidores ativos e inativos.

A média do recebimento superior ao salário do governador, segundo a USP, é de R$ 1.512,87 (valores variando de R$ 14,86 a R$ 5.211,34) para os servidores da ativa e de R$ 3.423,65 para os inativos.

O entendimento da USP é o de que gratificações incorporadas aos salários antes de 2003 não contavam no valor do teto. A partir de 2013, a emenda constitucional 41 determinou que essas gratificações passariam a entrar na conta do teto.

Em um comunicado divulgado nesta sexta-feira (2), o reitor da USP Vahan Agopyan disse que a medida de redução dos salários é “dura, mas necessária”, mas negou que haja “supersalários”.

“Reforço que os salários dos nossos servidores são resultantes de uma carreira progressiva, meritocrática e de longo prazo; portanto, não temos ‘supersalários’. Vejam, ainda, que os 20 maiores salários – esses efetivamente elevados –, são todos pagos a servidores inativos em cumprimento de decisões judiciais transitadas em julgado. Se os governadores do Estado tivessem atualizado seu subsídio, hoje esse problema seria minimizado, senão eliminado”, afirmou o reitor em nota.

A USP informou que vai fazer esforços para reverter a situação no Supremo, no Tribunal de Justiça do Estado e junto ao governador.

Campus da Unesp de Araraquara — Foto: Rodrigo Sargaço/EPTV

Campus da Unesp de Araraquara — Foto: Rodrigo Sargaço/EPTV

Unesp e Unicamp

A Universidade Estadual Paulista (Unesp) e a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) também poderão adotar a redução do teto salarial dos servidores que ganham mais do que o governador do estado.

Em nota, a Unesp informou que irá analisar a questão ao longo dos próximos dias.

Já a Unicamp estuda como proceder para evitar problema com o Tribunal de Justiça de SP. Uma decisão do Superior Tribunal de Justiça de São Paulo (STJ-SP) já foi transitado em julgado e diz o procedimento atual da Unicamp é correto. O Tribunal de Contas não fez argumentação.

A Unicamp tem 437 servidores ativos e inativos com salário mais alto do que o do governador, todos com salários congelados desde 2014 para não ultrapassar o teto. Antes do congelamento, havia 815 servidores com salário acima do teto. De acordo com a universidade, em 9% dos casos o valor acima é de R$ 500 a R$ 3 mil.

De acordo com o reitor da Unicamp Marcelo Knobel, a situação é “esdrúxula” porque o teto das universidades estaduais é mais baixo do que os das federais, o que causa uma “fuga de cérebros” que pode comprometer o futuro das estaduais.

“Hoje temos pessoas com dedicação de 30, 40, 50 anos à universidade e o teto das federais é mais alto do que o das estaduais. Isso provoca uma fuga dos cérebros das estaduais para as federais. Isso será o fim das universidades de São Paulo, um patrimônio que demoramos tantos anos para construir. Formamos o estudante e quando eles saem, estão ganhando mais do que qualquer professor”, afirma.

Unicamp  — Foto: Fernando Pacífico / G1

Unicamp — Foto: Fernando Pacífico / G1

Via
G1
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios