Internacional

Vaticano enfrenta escândalo de operações imobiliárias ilegais

Cinco funcionários foram suspensos em meio às investigações

Em um novo escândalo de corrupção, o Vaticano suspendeu cinco funcionários de finanças nesta quarta-feira (2) em meio a um inquérito sobre operações imobiliárias ilegais. A informação foi revelada pela revista italiana “L’Espresso”, um dia depois que as autoridades da Santa Sé apreenderem documentos e aparelhos eletrônicos na Secretária do Vaticano após uma série de denúncias ligadas a transações financeiras.

Veja também: Menor muda versão e diz que homem de bicicleta matou Raíssa

Os alvos do inquérito seriam Vincenzo Mauriello e Fabrizio Tirabassi, líderes da Secretaria de Estado; uma funcionária da administração, Caterina Sansone; o monsenhor Mauro Carlino, chefe do Departamento de Informação e Documentação; e Tommaso Di Ruzza. Segundo a publicação, a Gendarmeria do Vaticano enviou um comunicado ao pessoal interno do Estado e aos guardas suíços que controlam os acessos para informar que os cinco funcionários foram “cautelosamente suspensos” de suas funções.

A nota ainda ressalta que os envolvidos nas investigações só poderão entrar para usufruir dos serviços médicos ou se forem autorizados pelo responsável jurídico do Vaticano. Além disso, o religioso Carlino poderá continuar vivendo na mesma residência que mora o papa Francisco.

Veja também: Aluna é esfaqueada por colega dentro de colégio na Grande SP

Ainda de acordo com a revista “L’Espresso”, o escândalo de corrupção está ligado à compra de imóveis milionários no exterior, em particular propriedades em Londres. As operações também teriam contado com o envolvimento de empresas britânicas Ontem (1), o procurador de Justiça do Estado da Cidade do Vaticano, Gian Piero Milano, e seu assistente, Alessandro Diddi, deflagaram uma operação em duas instalações do Vaticano: a primeira seção da Secretaria de Estado e a Autoridade de Informação Financeira, órgão responsável por combater lavagem de dinheiro.

Segundo a publicação, essa investigação teve início após “denúncias apresentadas no último verão” pelo Instituto para as Obras de Religião (IOR) e pelo departamento do revisor geral, sobre “transações financeiras realizadas ao longo do tempo”.

Veja também: TRF-1 determina soltura de mulher presa em operação da PF contra hackers que invadiram celular de Moro

Via
Ansa
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios