Economia

Venda de blocos ‘que sobraram’ de outros leilões vai gerar R$ 320 milhões em investimentos

Certame da Oferta Permanente arrecadou R$ 22,3 milhões com venda de 33 blocos e 12 campos maduros

RIO – O primeiro leilão da chamada Oferta Permanente, composta por áreas de exploração de petróleo e gás preteridas em certames anteriores, teve nesta terça-feira 33 blocos arrematados entre os 273 oferecidos pela Agência Nacional do Petróleo (ANP). Também foram vendidos 12 dos 14 campos marginais (maduros) disponíveis.

No total, foram arrecadados R$ 22,3 milhões em contratos que devem gerar R$ 320 milhões em investimentos.
Os blocos somaram R$ 15,32 milhões em bônus de assinatura a serem pagos pelas petroleiras, valor que representou um ágio médio de 61,48%. Segundo estimativas da ANP, devem ser investidos nos 33 blocos R$ 309,8 milhões.

Já para os 12 campos maduros, cujo bônus total foi de R$ 6,98 milhões (ágio de mais de 2.000%), a previsão é de R$ 10,5 milhões em investimentos.

O principal destaque foi a aquisição de três blocos em águas profundas na Bacia de Sergipe/Alagoas pela gigante Exxon Mobil, a única entre as grandes petroleiras a conquistar áreas. O consórcio liderado pela americana juntamente com Enauta Energia e Muprhy pagou R$ 7,8 milhões, com um ágio de 20,07%.

A Petrobras, apesar de habilitada, não fez lances pela primeira vez em um leilão da ANP. As outras áreas ficaram com empresas de menor porte.

O diretor-geral da ANP, Décio Oddone, considerou o resultado do leilão um sucesso, mesmo na comparação do baixo número de áreas arrematadas com o total oferecido. Isso acontece porque o portfólio do leilão é definido pela manifestação de interesse das empresas sobre algumas áreas específicas, mas sem garantia de que elas farão propostas por todas elas.

Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios