Esportes

Vingança de Del Nero atinge em cheio a Globo

Del Nero jurou se vingar pela falta de apoio da Globo no seu banimento do futebol. Acabou o acesso da emissora às imagens exclusivas da Seleção

São Paulo, Brasil

Foram três longos anos.

Da denúncia por parte da Fifa até o banimento de Marco Polo del Nero do futebol.

O então presidente da CBF enfrentava acusações gravíssimas do Comitê de Ética da entidade.

Ele foi enquadrado no Código de Ética da Fifa.

A acusação era de ter violado os artigos 21 (suborno e corrupção), 20 (oferecer ou aceitar presentes ou outros benefícios), 19 (conflitos de interesse), 15 (lealdade) e 13 (regras gerais de conduta).

Del Nero fez de tudo para se defender, mandando advogados para a Suíça.

Mas ele acreditava precisar do apoio de uma velha aliada da CBF: a TV Globo.

Só que a emissora carioca virou as costas ao dirigente.

Por não poder viajar para fora do Brasil, com medo de ser detido por conta das acusações, Del Nero deixou de participar de várias reuniões que seriam importantes para a Globo.

Principalmente a definição de datas dos jogos da Seleção nas Eliminatórias. E, horários.

O que ele decidiu?

Que as imagens dos bastidores da Seleção seriam da CBF. E não mais da Globo. A entidade aumentou, e muito, o investimento em cinegrafistas, fotógrafos. E passou a disponibilizar os vídeos e fotos no seu site oficial.

A decisão foi tomada em caráter definitivo.

E seguiu sendo assim quando Del Nero foi primeiro afastado, no final de 2017. Até o seu banimento, em abril de 2018.

Rogério Caboclo seguiu as determinações de Del Nero, o homem que deu a ele o cargo de presidente da CBF.

Na Copa da Rússia foi um desastre para a Globo.

A emissora mandou 23 equipes de reportagem para o Mundial. 197 profissionais foram para o distante país europeu. Mais 200 pessoas ficaram no Brasil, na retaguarda.

Só que a CBF não liberou entrevistas e muito menos imagens exclusivas da Copa. A Globo, que tinha a exclusividade de transmissão na tevê aberta, teve de apelar para o site da CBF, como as demais concorrentes.

O que já era ruim, virou um caos em 2019.

A CBF amarrou um acordo com Amazon durante a Copa América no Brasil

Todos os bastidores foram filmados e, desta vez, não foram distribuídos no site da entidade.

Acabou virando uma série de cinco capítulos e um mais extras.

Foi comercializado pela Amazon.

E está disponível no streaming pago desde o dia 31 de janeiro.

A campanha publicitária está em pleno vapor.

O resultado entusiasmou a cúpula da CBF.

E deverá ser repetido já nas Eliminatórias.

Virando material para uma série que será produzida e lançada, após a Copa do Qatar, desde que o Brasil saia vencedor.

Esse foi o critério para a ‘Tudo ou Nada’, a série da Copa América.

Ou seja, o ‘fantasma’ de Marco Polo continua impondo sua filosofia.

E ferindo profundamente o interesse da Globo.

CBF TV em ação. Tornando dispensáveis 400 funcionários da Globo na Rússia
CBF TV em ação. Tornando dispensáveis 400 funcionários da Globo na Rússia

CBF TV

Seguindo esse critério, a emissora carioca, que já vive uma crise financeira, não enviará nem metade dos profissionais que mandou à Copa da Rússia, quando chegar o Mundial do Qatar.

Na Copa de 2018, a emissora apelou. Sem acesso à Seleção, acabou fazendo da cobertura da Copa, uma série de reportagens turísticas sobre a Rússia.

‘Tudo ou Nada’ mostra a postura definitiva da CBF.

Ela seguirá usando e lucrando com imagens exclusivas da Seleção.

Com a falta de apoio da Globo a Marco Polo, acabaram os privilégios da emissora carioca na Seleção.

Del Nero sabia como ferir quem o feriu.

Não haverá volta no Qatar.

A ideia é um novo “Tudo ou Nada”.

Caboclo deve a presidência à Del Nero. Segue a filosofia: fim de privilégio à Globo
Caboclo deve a presidência à Del Nero. Segue a filosofia: fim de privilégio à Globo

Desde que o Brasil vença.

Se perder, o material não será levado ao ar.

A estratégia da CBF atinge em cheio a Globo.

A vingança de Marco Polo atingiu seus objetivos…

 

Via
POR: R7
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios