Notícias

Vítimas de violência doméstica aprovam botão do pânico: ‘Me sinto protegida’, diz atriz agredida

Medidas protetivas concedidas pelo TJRJ aumentaram 42% em dois anos. Patrulha Maria da Penha fez mais de 6 mil visitas a vítimas nos 4 primeiros meses do programa.

Nove mulheres vítimas de violência doméstica no Rio de Janeiro ganharam a tecnologia como aliada contra novos ataques. Elas são as primeiras a receber o “botão do pânico”, aparelho semelhante a um pager, que alerta caso os agressores se aproximem além do permitido pelas medidas protetivas definidas pela Justiça.

O botão do pânico começou a ser distribuído no segundo semestre de 2019 em uma iniciativa do Tribunal de Justiça do Rio (TJRJ). A ferramenta é conectada a uma tornozeleira eletrônica, usada pelo agressor. Em caso de aproximação, a central de monitoramento é acionada e entra em contato com a vítima e o agressor por telefone.

“Esse aparelho, esse pager, faz parte do meu corpo. Hoje, eu me sinto protegida porque toda a minha vida está mapeada. Quem está preso é o agressor, não é a vítima”, contou ao G1 a atriz Cristiane Machado, a primeira mulher do estado a receber a ferramenta de botão do pânico.

A atriz foi vítima de violência doméstica. O ex-marido, o ex-diplomata Sérgio Schiller Thompson-Flores, está em prisão domiciliar, com autorização para sair de casa durante o dia. Com medo de novas agressões, Cristiane recorreu à Justiça, que concedeu o aparelho como uma das medidas protetivas.

De acordo com dados mais recentes do Instituto de Segurança Pública (ISP) do RJ, mais de 21 mil mulheres foram vítimas de agressões físicas no primeiro semestre de 2019 no estado – quase 4 mulheres por dia. As informações foram obtidas pelo G1 por meio da Lei de Acesso a Informação (LAI).

Quem pode pedir?

Segundo o Tribunal de Justiça, qualquer vítima de violência doméstica com processo aberto na Justiça pode entrar com um pedido, que é analisado, caso a caso. Os critérios não foram divulgados.

O monitoramento da ferramenta é administrado pela Secretaria de Administração Penitenciária (Seap), que adquiriu os aparelhos por meio de licitação.

Entenda como funciona o Botão do Pânico no Rio de Janeiro — Foto: Rodrigo Cunha/G1

Entenda como funciona o Botão do Pânico no Rio de Janeiro — Foto: Rodrigo Cunha/G1

Via
G1
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios