Política

Zema não assina carta conjunta de governadores

A avaliação entre os governos foi que Minas Gerais enfrenta uma situação delicada, mas Zema adotou “postura egoísta” ao se “curvar” perante o governo federal

Adotando uma postura de não enfrentar Jair Bolsonaro, o chefe do Executivo de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), não assinou nova carta formulada pelo Fórum de Governadores, divulgada na tarde desta quinta-feira (26). No documento, os líderes estaduais ressaltam que a decisão prioritária é a de cuidar da vida das pessoas, mas sem esquecer a responsabilidade de administrar a economia, sendo que os dois compromissos não são excludentes.

Essa última tese, de que é preciso voltar à normalidade para o país não quebrar, é a defendida pelo presidente e foi o que causou a ira do grupo.

Somente Zema e o governador de Rondônia, Coronel Marcos Rocha (PSL), não assinam a carta. Essa posição era esperada pelo parlamentar do antigo partido de Bolsonaro porque ele já havia dito publicamente, na última quarta-feira (25), que iria apoiar o presidente. No entanto, causou mal-estar entre os governadores a atitude do mineiro.

A avaliação entre os governos é de que Minas Gerais enfrenta uma situação delicada economicamente, mas num momento que deveria ser de união, Zema demonstrou “fraqueza” ao não se juntar com os outros chefes do Executivo e adotou “postura egoísta” ao se “curvar” perante o governo federal.

Um interlocutor do governador de São Paulo, João Doria, confessou ainda que a decisão do mineiro, “sem dúvidas”, vai ser lembrada posteriormente pelo grupo e, assim como Bolsonaro, ele caminha agora para o “isolamento” político.

Já o governador de Minas Gerais sustenta que não assinou a carta porque acredita que esse é um momento de todos os gestores públicos se unirem para o combate dessa pandemia (veja o posicionamento completo de Zema abaixo). Internamente, aliados do mineiro consideraram que a discordância pontual dele foi um ato de coragem.

A confusão

Nesta semana, em diferentes oportunidades, o chefe do Palácio do Planalto abriu a artilharia contra os governadores que determinaram o fechamento do comércio e o isolamento da população para evitar a propagação do novo coronavírus. Bolsonaro até mesmo chamou a doença de “resfriadinho” e “gripezinha”.

As declarações causaram reações em cadeia entre os governadores, o que culminou no rompimento de Ronaldo Caiado (DEM), de Goiás, com o presidente. Foi ele, inclusive, quem indicou Luiz Henrique Mandetta para o Ministério da Saúde.

Na carta, os governadores dizem que o vírus é um adversário a ser vencido com bom senso, empatia, equilíbrio e união. E, por isso, “rogavam” mais uma vez ao Bolsonaro que ele somasse forças com as administrações estaduais na luta contra a pandemia do coronavírus e seus impactos humanitários e econômicos.

“Neste processo, consideramos essencial a liderança do presidente da República e a sua parceria com governadores, prefeitos e chefes dos demais poderes. Reunidos, queremos dizer ao Brasil que travamos uma guerra contra uma doença altamente contagiosa e que deixará milhares de vítimas fatais”, escreveram.

O documento também apresenta oito pedidos à União, como suspensão, pelo período de 12 meses, do pagamento da dívida dos Estados com a União, a Caixa Econômica Federal, o Banco do Brasil e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES); viabilização de recursos; e a redução da meta de superávit primário do governo federal.

Justificativa de Zema

A coluna questionou a assessoria de imprensa do governo de Minas sobre o fato de Zema não ter assinado o documento.

Por meio de nota, foi dito que o governador participou de videoconferência, na última quarta-feira (25), com outros 25 chefes de administrações estaduais, na qual foram discutidas medidas de enfrentamento a crise do coronavírus. Sendo que, algumas delas já haviam sido levadas a Bolsonaro e a ministros, em videoconferência realizada antes da reunião entre líderes estaduais.

Ainda segundo o texto, ao fim do encontro ficou decidido que por meio de uma construção coletiva, sugestões para o enfrentamento da pandemia seriam apresentadas em carta. E, ressaltando que esse é um “momento de união de todos os gestores públicos”, Zema não assinou uma primeira versão da carta, em que cita o presidente Jair Bolsonaro.

A assessoria destaca que o mineiro sugeriu uma nova redação, mas ela não foi contemplada: “Com isso, o governador optou por não avalizar o documento final”.  Zema ainda reiterou que os pontos defendidos por Minas Gerais são:

1) Liberação de recursos por meio da Lei Kandir;

2) Aprovação do Projeto de Lei Complementar 149/2019 (“Plano Mansueto”) e mudança no Regime de Recuperação Fiscal, de modo a promover o efetivo equilíbrio fiscal dos entes federados;

3) Pacote de medidas que preservem empregos e socorro à iniciativa privada, especialmente micro e pequenas empresa.

Vale ressaltar que, o segundo e terceiros pontos já haviam sido contemplados em cartas enviadas ao presidente ainda no início da crise.

 

Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios